Pular para o conteúdo principal

O DIREITO CONSTITUCIONAL AO SILÊNCIO

O princípio da não autoincriminação significa que ninguém é obrigado, por qualquer autoridade ou mesmo por um particular, a se autoincriminar ou a produzir prova contra si mesmo, ou a fornecer involuntariamente qualquer tipo de informação ou declaração ou dado ou objeto ou prova que o incrimine direta ou indiretamente.

É a partir desta garantia que surge o direito ao silêncio, mas também temos:

- O direito de não colaborar com a investigação ou a instrução criminal; 

- O direito de não declarar contra si mesmo;

- O direito de não confessar;

- O direito de declarar o inverídico, sem prejudicar terceiros;

- O direito de não apresentar provas que prejudique sua situação jurídica;

- O direito de não praticar nenhum comportamento ativo que lhe comprometa;

- O direito de não participar ativamente de procedimentos probatórios incriminatórios;

- E o direito de não ceder seu corpo (total ou parcialmente) para a produção de prova incriminatória.

Neste sentido, o direito constitucional ao silêncio, estende-se para além da garantia dada ao preso de permanecer calado, conforme o Art. 5º, inc. LXIII, da Constituição Federal, pois deve ser compreendido como uma das dimensões do princípio da não autoincriminação.

Não por outra razão, deve ser assegurado não só ao suspeito, ao indiciado ou o acusado, como também à testemunha, pois mesmo o compromisso de dizer a verdade não supera o direito à não autoincriminação.

Mesmo nas CPIs, quem é convocado para prestar esclarecimentos tem assim o direito de permanecer em silêncio para não se autoincriminar.

Apesar de o direito ao silêncio alcançar as testemunhas, estas podem abster-se apenas de revelar ou confirmar fatos que lhes tragam prejuízo, mas isto não afasta o dever de comparecer ao interrogatório, responder ao que for indagado, e dizer somente a verdade.

Este direito está consagrado também na Convenção Americana sobre Direitos Humanos, conhecido como Pacto de São José da Costa Rica, e no Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos, acordos dos quais o Brasil é signatário.

Há certa incompreensão quanto ao direito de ficar calado, inclusive por conta do ditado popular que diz que “quem cala consente” ...

Mas, na verdade, de acordo com Código de Processo Penal, o silêncio não é confissão e não pode ser interpretado em prejuízo da defesa, muito embora possa se constituir elemento para a formação do convencimento do juiz.

Sendo assim, o poder instrutório das autoridades judiciais e mesmo das Comissões Parlamentares de Inquérito, estão sujeitas a limites, dentre os quais, a garantia de não autoincriminação, e, via de consequência, o direito ao silêncio.

Postagens mais visitadas deste blog

DIA INTERNACIONAL CONTRA A HOMOFOBIA, TRANSFOBIA E BIFOBIA

O Dia Internacional Contra Homofobia, Transfobia e Bifobia foi criado em 2004 para chamar a atenção para a violência e discriminação sofridas por lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros, pessoas intersexuais e todas as outras pessoas com orientações sexuais, identidades ou expressões de gênero e sexo diversos. A data de 17 de maio foi escolhida especificamente para comemorar a decisão da Organização Mundial da Saúde em 1990 de desclassificar a homossexualidade como um distúrbio mental. Conforme consta na justificação ao projeto de lei que criminaliza a homofobia, em tramitação no Senado Federal: “Um dos princípios mais básicos de qualquer sociedade que se diz democrática é o respeito ao ser humano, é o apreço por sua significância, por seu valor intrínseco, por sua dignidade independentemente de gênero, religião, posição política ou orientação sexual.” Existem comportamentos que merecem ser interrompidos com vigor e antecipadamente, sob pena de se transformarem em atos muito mais grav

O RACISMO NA CONTRAMÃO

A Constituição Cidadã de 1988, alicerce sobre o qual refundamos nossa nação, adotou algumas palavras-chave que devem ser sempre destacadas. Isto porque, através delas, a nossa Carta Magna nos indica alguns roteiros que passam necessariamente pelas largas avenidas da igualdade, da dignidade, da harmonia e da liberdade. Por outro lado, a nossa Lei Maior, ao mesmo tempo em que nos assegurou direitos, também indica que a democracia pressupõe que tais vias sejam sempre de mão-dupla.  Não por outra razão, logo após sua promulgação foi editada a Lei 7.716 de 1989, na qual foram tipificados os crimes resultantes de preconceito de raça ou cor. Em 1997, essa mesma lei foi alterada para, enfim, criminalizar também a discriminação em razão da etnia, da religião ou da procedência nacional. Mais recentemente, em uma decisão bastante polêmica, o STF julgou que a mesma lei pode agora ser aplicada em crimes de preconceito e discriminação praticados em decorrencia de homofobia ou transfobia. O fato é qu

ALIMENTOS: NECESSIDADE, POSSIBILIDADE, PROPORCIONALIDADE, ISONOMIA E EXIGIBILIDADE

O nosso Código Civil estabelece que parentes e cônjuges podem pedir uns aos outros os alimentos de que necessitem para viver de modo compatível com a sua condição social, inclusive para atender às necessidades de sua educação. A legislação prevê ainda que os alimentos pleiteados em favor dos filhos que devem ser estabelecidos respeitando o binômio necessidade-possibilidade, os seja, devem ser fixados na proporção das necessidades de quem os requer e dos recursos da pessoa obrigada. Por outro lado, quando se fala em ações que envolvem a guarda e o sustento dos filhos a proporcionalidade também deve ser considerada em relação aos recursos que cada um dos genitores dispõe. É muito comum o alimentante ter outros filhos a quem deve prover o sustento, caso em que na fixação dos alimentos deve ser observado o princípio da isonomia de tratamento dos alimentandos, considerando as necessidades de cada um e a possibilidade de quem está obrigado a cumpri-los. Por tudo isso um do